sábado, 6 de novembro de 2010

BICO-DE-BRASA



Nome Científico: Monasa nigrifrons
Família: Bucconidae
Ordem: Galbuliformes
Distribuição: Na Amazônia brasileira e depois do Piauí aos estados do Centro-Oeste, Minas Gerais e Oeste de São Paulo. Fora do Brasil é avistado na Colômbia, Equador e Bolívia.
Habitat: Matas de várzea, igapós, matas de galeria, formações de bambus em matas ripárias ribeirinhas e ilhas fluviais, além de matas secas à margem de rios e babaçuais.
Alimentação: Insetos (que ocasionalmente captura no ar) e pequenos vertebrados.
Reprodução: Faz seus ninhos em barrancos ou no solo, geralmente em buracos compridos. Incuba até 3 ovos, brancos e brilhantes.

A plumagem do corpo é cinza-escura, quase negra. Mas o bico, em compensação, parece se acender no meio da mata, de tão vivo. É de um vermelho-alaranjado impossível de não ser notado. Assim pode-se descrever o chora-chuva-preto, conhecido ainda pelos nomes de tanguru-pará e bico-de-brasa (e não sem razão).

Seus hábitos também chamam a atenção, a começar pela cauda, que balança continuamente. Às vezes gira-a lentamente, em movimentos circulares ou "de remar". Noutras, simplesmente, a eleva e a abaixa de tempos em tempos. Além disso, segue grupos de macacos e formigas-de-correição, aproveitando que ambos deixam suas presas perturbadas e, por conseqüência, fáceis de serem capturadas.
Imagem: Carlos Coutinho

O chora-chuva-preto tem o hábito de viver aos pares ou em grupos. Em qualquer um dos casos, uma coisa é certa: tem sempre cantoria ao entardecer. Ora pode ser num coro de vários indivíduos da espécie, ora em duetos de casais. O chora-chuva-preto é o maior de sua família (tem, em média, 27,5 centímetros de comprimento).


Fonte Texto e Imagem
Marcadores: Bico de Brasa / Chora-chuva-preto
http://sitiotamboril.blogspot.com/

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Juruviara





A juruviara é uma ave passeriforme da família Vireonidae. Também denominado popularmente de gente-de-fora-vem, segundo a sonoridade de seu canto.
Características

É detectada pelo canto, simples e repetitivo mas melodioso. Quase nunca deixa a folhagem das árvores, e não é muito freqüente vê-la, já que, por ser pequena, de colorido apagado e de comportamento discreto, não costuma chamar a atenção.
[juruviara adulto]
juruviara adulto
Alimentação

Percorre as copas das árvores em busca de seu alimento, que consiste em insetos pequenos (vespinhas, lagartas, formigas, besouros, cupins), aranhas e às vezes frutinhos ou pedaços de frutos grandes, como o da embaúba.

[juruviara se alimentando]
juruviara se alimentando
Reprodução

O ninho, apoiado na forquilha de um ramo de árvore, é uma tigelinha de parede delgada e funda, feito com capins e folhas secas por fora e capins finos no interior; externamente é revestido por musgos verdes, presos por fios de teias de aranha e de casulos de larvas de borboletas. Tal ninho mede 8 cm de altura e 8 cm no diâmetro externo. Os 3 ovos brancos com salpicos pretos, pouco numerosos, na metade do pólo do rombo, medem 20 x 15 mm. O macho raramente, ou nunca, toma parte na incubação e no cuidado com os filhotes, colaborando, contudo, na alimentação destes. Os períodos de incubação e de permanência dos filhotes no ninho são de 13, e 11 ou 12 dias, respectivamente.





Hábitos

A juruviara é migratória e vive no estrato médio das árvores.
[Habitat de juruviara]


http://www.wikiaves.com.br/juruviara






Esse passarinho é migratório e logo logo vai embora, lá pro Alabama.
Por enquanto ainda está por aqui, na serra do Japi. Conhecido como Juruviara

http://passarinhar.blogspot.com/

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sabiá


O Sabiá laranjeira (Turdus rufiventris) é a ave mais cantada em prosa e verso no Brasil. É a mais lembrada pelo folclore, pela poesia e pelos compositores.
Existem 23 músicas registradas no ECAD/SOCIMPRO com o nome SABIÁ.

AVE SÍMBOLO DO BRASIL


No dia 12 setembro de 1968, por solicitação do naturalista brasileiro, de origem dinamarquesa, Johan Dalgas Frisch, com o apoio do general Charles Lindberh, o general Costa e Silva, pelo Decreto n° 63.234, instituiu o dia 5 de outubro como o Dia da Ave e elevou o Sabiá laranjeira a condição de Ave Símbolo do Brasil.








Nome científico: Turdos Rufiventris
Família: Turdídeios
Localização geográfica: regiões Centro Oeste, Sudeste e Sul do Brasil e mata atlântica.
O sabiá-laranjeira é uma ave brasileira, das mais populares, citada por diversos poetas como o pássaro que canta no tempo do amor, ou seja, na primavera.
O seu aspecto é de plumagem com cores que variam entre cinza claro a cinza escuro no dorso, o peito é esbranquiçado e o abdome varia de vermelho-ferrugem a marrom escuro na barriga, sendo que as tonalidades mudam conforme a região. Por exemplo, no nordeste brasileiro a cor do abdome é mais clara, amarelada.
Tamanho: 25cm.
Longevidade: em torno de 30 anos.
Na natureza prefere andar em casais, ao invés de em bando. Preferem as beiradas de matas, pomares, capoeiras, beiras de serras e estradas, praças e quintais, sempre por perto de água abundante. É um pássaro territorialista, e demarca uma área geográfica quando está em processo de reprodução e não aceita a presença de outras aves da espécie.
O canto
O sabiá-laranjeira, também conhecido como sabiá amarelo ou de peito roxo, é um dos melhores cantores do mundo. Seu canto é nostálgico e se assemelha ao som de uma flauta. É usado inclusive para conquistar as fêmeas antes do acasalamento.
O macho canta para ensinar os filhotes, ou seja, os pequeninos podem ser treinados e, se conviver desde pequeno com outras espécies, pode ser influenciado pelo canto delas e passar a ter um canto impuro.
Instalação: viveiros de no mínimo 1m de comprimento x 2m de altura x 2m de profundidade. O ninho é sólido, em forma de tigela, formado de ramos e fibras de raízes, com barro na base. Dentro é constituído de raízes finas e macias. Em cativeiro, pode ser um vaso de xaxim pequeno.
A higiene diária do viveiro é fundamental e é bom lembrar que o sabiá-laranjeira gosta de banhar-se com frequência.
Alimentação onívora: na natureza come no chão e nos galhos sementes, insetos, larvas, minhocas e frutas maduras, especialmente mamão e abacate.
Reprodução: os sabiás atingem a maturidade sexual aos 9 meses e se acasalam na primavera, sendo que a postura, que pode ocorrer até 3 vezes por temporada (de Setembro a Janeiro), é de 2 a 3 ovos. O período de incubação é de 15 dias.
Não há dimorfismo sexual, pois, ambos são iguais e a fêmea também canta, mas numa frequência bem menor que o macho.
Para o acasalamento, isola-se o macho num viveiro por 2 semanas. Coloca-se a fêmea e ouça o seu cortejo melodioso e nostálgico para atrai-la e incentivá-la à postura dos ovos.
Os filhotes devem ser mantidos com os pais por até pelo menos um mês, inclusive para aprender a cantar.
No Brasil podem ser encontradas outras espécies de sabiá, tais como:
Sabiá-Una;
Sabiá-Pardo;
Sabiá-Branco;
Sabiá-Coleira.
Imagem do google
Crédito:
Texto retirado no site "My Pet", no endereço:
mypet.terra.com.br/sabia.asp
Links
1. www.petbrazil.com.br
2. www.terradospassaros.com

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Ring Necks


Ring Necks



Ordem: Psittaciformes
Família: Psittacidae
Género: Psittacula
Espécie: P. krameri
Comprimento: 37 - 43 cm
Peso:130g
Longevidade: 30 anos
Incubação: 21 a 24 dias
Maturidade: 2 a 3 anos





DISTRIBUIÇÃO GEOGRAFICA:

Norte e centro da África do Norte e Central, Índia, Birmânia e China Meridional.





ALIMENTAÇÃO:

Estas aves podem ser alimentadas com uma mistura de sementes próprias para periquitos de grande porte (alpiste, girassol e aveia em pequenas quantidades, milho alvo de diversos tipos, etc...), com um suplemento de doses de legumes e fruta (maçã, kiwi,pera, laranja), a maçã em especial é de uma importância para a lubrificação do trato intestinal), bem como pequenas quantidades de alimentos à base de ovos.Durante todo o ano mas principalmente na época de reprodução e em maiores quantidades os meus ring necks tem ao seu dispor por semana alem de agua,grite e mistura para psitacideos... papa de ovo todos os dias, um ovo cozido, dois dias fruta variada,dois dias verduras ou legumes variados e um dia de mistura para pombos de correio demolhada durante 12h!Com esta dieta os pais alimentam-se a si e aos filhotes sem dificuldades!





HABITAT:

Terrenos abertos de savana nativa e habitats alterados pelo homem tais como eucaliptais, plantações, quintas e plantações de palmeiras. Os Ring Neck são aves robustas mas não muito resistentes à geada e ao tempo muito frio. Um abrigo noturno que proteja de geada e de correntes de ar é, portanto essencial para preservar a saúde destas aves





CONDIÇÕES GERAIS:

Quando o tempo começa a esquentar e os dias ficarem mais longos, os machos começam a cortejar as fêmeas. A temporada de criação normalmente é durante a primavera. Os machos também podem se estimular para o cortejo por barulhos altos. Este comportamento pode ser usado para dar uma indicação do sexo de um pássaro jovem, já que somente os machos cortejam. Porém, de vez em quando, fêmeas jovens imitam o cortejo do macho. Deve-se observar e conhecer bem seus pássaros. O cortejo e o acasalamento podem ocorrer várias vezes por dia a qualquer hora e é normal continuar até que comece a postura ou quando a fêmea começa a incubar os ovos.





REPRODUÇÃO:

Se Pretende criar um casal de Ringnecks, é muito importante transferir o casal para uma gaiola em separado, onde a perturbação seja mínima. Muitas perturbações tornam-nos muito agitados. Se estas aves desfrutarem de tranquilidade suficiente, podem ser progenitores excelentes e conscienciosos. Colocam um número de ovos que pode variar entre 4 a 6 ovos. O tempo de incubação também é variável de 21 a 24 dias. As crias são alimentadas por ambos os progenitores e a plumagem surge ao fim de oito semanas, aproximadamente. Mesmo que uma segunda gestação venha entretanto, como por vezes se verifica, não há necessidade de retirar as crias da primeira a ter lugar.

Os Ringnecks podem ser criados à mão, que em contacto com os seres humanos, sendo bem cuidados, tornam-se extremamente dóceis e afeiçoados, podendo mesmo aprender a falar algumas palavras





ESPAÇO:

São aves que precisam de algum espaço, para um casal, que nunca seja inferior a 100 x 100 x 200 (c x L x h), se for apenas um, uma boa gaiola para papagaios serve perfeitamente, mas terá que disponibilizar muitos brinquedos.





NINHOS:

As medidas dos meus ninhos são 35 x 35 x 60 (c x L x h) com um orifício de entrada de 7 centímetros, e o material que uso para o ninho é aparas de madeira tratada, pode-se adquirir em qualquer loja de animais.



ACTIVIDADES:

Estas aves gostam de ter um poiso alto e seco. Passam pouco tempo no chão. Gostam de roer e de “redecorar” frequentemente a sua caixa de ninho, chegando a fazer mesmo com os seus poleiros, que poderá ter de substituir por outros novos, com bastante regularidade. Gostam de passar a noite numa caixa de ninho, inclusivamente, fora da época de gestação.





MUTAÇÕES:

Existem diversas mutações cromáticas muito atraentes desta espécie, todas elas sendo criadas em grande escala. A cor original das aves no habitat selvagem é verde. Com o decorrer dos tempos, foram criadas mutações amarelas, totalmente brancas (sem o anel), azuis, azuis em tons pastel, azuis com amarelo-claro, cinzento com amarelo-claro, verdes com amarelos-claro, verdes, verdes-oliva, e ino creme. As mutações amarelas e azuis são as mais divulgadas.





GERAL:

Os Ringnecks podem-se apresentar numa grande variedade de cores: verde, azul, amarelo, branco, cinzento e creme. Os machos diferenciam-se das fêmeas pelo "colar" ao redor do pescoço, que estas não possuem. Enquanto filhotes, os machos também não apresentam "colar", podendo ser confundidos com fêmeas, porém, quando atingem a idade adulta, por volta dos 2 anos de idade, forma-se.

Texto do http://alexjose-aves.webnode.com.pt/ring-necks/
Imagem do google

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Tucano de Bico Arco-Íris


Tucano de Bico Arco-Íris


Esse é considerado o pássaro nacional de Belize e o que chama mais atenção é seu grande bico colorido.
Sua plumagem é principalmente preta com o pescoço e o peito amarelos.Tem pés são azuis e penas vermelhas no fim da cauda.O bico é verde em sua maior parte com detalhes em laranja e vermelho em ambos os lados.

Fonte do texto e Imagem

domingo, 31 de outubro de 2010

GLOSTER


CARACTERÍSTICAS DO CANARIO GLOSTER


1. Cabeça topo: redonda
2. Cabeça topo: ponta do bico visível
3. Cabeça topo: simetria
4. Cabeça perfil: coroa: penas a cair; consort: saida vertical
5. Cabeça perfil: coroa: sem tocar no bico; consort: altura o topo
6. Penas da cabeça: Coroa: volumosa; Consort: fortes sobrancelhas
7. Cabeça: coroa: Centro pequeno
8. Cabeça: coroa: Centro bem definido
9. Cabeça: Olho perceptível
10. Bico: Pequeno
11. Bico: Redondo
12. Pescoço: Sem quebras
13. Corpo: Costas bem preenchidas
14. Corpo: Asas fechadas
15. Corpo: Asas juntas
16. Corpo: Asas sem se cruzarem
17. Corpo: Pescoço curto
18. Corpo: Pescoço cheio
19. Corpo: Peito arredondado sem proeminências
20. Corpo: Peito largo
21. Corpo: Dorso plano (prolongamento do corpo)
22. Corpo: Dorso robusto
23. Cauda: Curta
24. Cauda: Estreita
25. Plumagem: Junta ao corpo
26. Plumagem: Firme e compacta
27. Plumagem: Aparência de bom aspecto
28. Plumagem: De côr natural
29. Posição: 45º
30. Aspecto: alerta
31. Aspecto: Com vivacidade e movimentos energéticos
32. Pernas e Patas: Tamanho curto
33. Pernas e Patas: Bem posicionadas
34. Pernas e Patas: Sem se ver as coxas
35. Tamanho: 11,5 a 12 cm

Autor: António Ferrão
Aprendendo sobre cores

Intitulamos canários de cor (grupos) por termos a certeza de ser mais fácil conhecer todas as cores se dividirmos em grupos, com essa sistemática ficou mais fácil conhecer os canários.
Portanto, vamos ao estudo dessa sistemática.

Em primeiro lugar, necessitamos conhecer as três cores tradicionais que são: Branco, Amarelo e Vermelho.
Segundo, conhecer os quatro tipos que são: Negro Marrom Oxidado( azul, verde e cobre), Ágata. Isabel e Canela.
Terceiro, conhecer e diferenciar as três categorias que são: Intenso, Nevado e Mosaico.

Após um bom conhecimento desses pontos fundamentais: cor, tipo, categoria e dominarmos bem esses conceitos teremos condições de conhecer todas as cores da nomenclatura oficial da canaricultura.
Essa forma de propor esse tipo de aprendizado é diferente dos demais, pois somos taxativamente contra mostrar o canário e falar qual sua cor, o nosso objetivo é aprender a reconhecê-lo o que se torna mais fácil.
Amarelos: São todos os canários que possuem amarelo visível nas penas, independente de pertencerem à linha clara ou
escura, eles podem ser: Amarelo, Verde, Canela, Ágata e Isabel e deverão estar enquadrados na categoria Intenso, Nevado ou Mosaico.
Brancos: São todos os canários que possuem branco visíveis nas penas, independentemente de pertencerem à linha clara ou escura, eles são: Branco, Azul, Ágata e Isabel e deverão pertencer às categorias: Intenso, Nevado e Mosaico.
Vermelhos: São todos os canários que possuem vermelho visível nas penas, independente de pertencerem à linha clara ou escura, eles são: Vermelho, Cobre, Canela e Isabel e deverão pertencer às categorias: Intenso, Nevado ou Mosaico.
Conforme podemos verificar os pássaros são os mesmos, diferenciando apenas na cor do lipocromo. O desenho da marcação dos pássaros da linha escura são sempre os mesmos para cada tipo: Negro- Marrom Oxidado (cobre, azul e verde), Canela, Ágata e Isabel. Com esses conhecimentos na prática, já é possível identificar todas as cores clássicas. E, as cores novas nada mais são do que fatores que atuam sobre as melaninas e cores que podem ser: Opalino, Pastel, Recessivo, Marfim e Ino, podendo ser agrupados em dois fatores de inibição - "Recessivo e Marfim", um fator de redução - "Pastel" e outro de oxidação - "Opalino" Vamos agora descrever esse fatores:

1) Recessivo: Apresenta só nos canários de lipocromo branco e indica a ausência de lipocromo amarelo.
2) Marfim: Aparece com uma inibição parcial do lipocromo, causando um esmaecimento da intensidade dos mesmos e atua sobre os lipocromos.
3) Pastel: Só ocorre em canários da linha escura. O fator pastel é responsável por uma redução e dispersão do negro e do marrom, se observamos um canário pastel temos a impressão de ver um canário sujo.
4) Opalino: Só ocorre em canários da linha escura. O fator opalino é responsável por uma oxidação e inversão das melaninas negras da parte superior das penas para a inferior, centralizando ou condensando sobre o canal medular inferior. As melaninas negras.
Pode haver ainda a combinação entre esses fatores: Recessivo com Pastel e Opalino e, Marfim com Pastel e Opalino,
Nunca devemos combinar os fatores Pastel com Opalino por serem antagônicos.

Ainda temos os Inos que são, designação dos canários de olhos vermelhos, sendo ainda divididos em dois fatores, os ligados ao sexo e os de sexo livre. Muitas confusões são feitas e notadas sobre esses pássaros, mas é muito fácil de entendê-los, basta seguir um relacionamento lógico.
Ino: Qualquer canário de olho vermelho exclusivamente da linha clara nos lipocromos (amarelos, brancos e vermelhos).
Somente o criador pode saber se é ligado ao sexo livre.
Acetinado: Canários de olhos vermelhos ligados ao sexo, essa denominação poderá ser feita aos canários de linha clara e escura.
Feo Ino: Canários de olhos vermelhos, sexo livre só ocorre em canários da linha escura. Tentando clarear mais, nos Inos temos:

* Acetinado linha clara: Albinos, Lutinos e Rubinos.

* Acetinados linha escura: Prateados, Amarelos e Vermelhos.

* Feo Ino: Só ocorre na linha escura: Albino, Lutino e Rubino.


Agora já conhecemos 100% da nomenclatura oficial e será fácil identificar as cores de todos os Canários.
Perguntas para a classificação de qualquer canário.
1) É da linha clara ou escura?
2) Qual a cor do lipocromo?
3) Qual a categoria?
4) É oxidado negro-marrom. Tem pés e bico pretos?
5) É oxidado canela?
6) É diluído negro-marrom? Tem bigodes negros?
7) É diluído canela?
8) Tem lipocromo esmaecido?
9) Tem ausência de lipocromo amarelo sobre o branco?
10) Tem olhos vermelho?
11) Tem melanina invertida?
12) Tem diluição nas marcações negras e canelas?
13) Tem olhos vermelhos e marcação perolado nas costas?

* Resumo

* Recessivo: Branco sem amarelo, aparece nas linhas clara e escura.
* Marfim: Inibição do lipocromo atua no branco, amarelo e vermelho.
* Pastel: Só linha escura - Redução das melaninas.
* Opalinos: Só linha escura - Oxidação e inversão das melaninas.
* Acetinado: Olho vermelho, linha clara e escura.
* Feo Ino: Olho vermelho, linha escura (Perolado).

* Categoria

* Intenso: Cor uniforme por todo corpo.

* Nevado: Cor recebeu uma névoa por todo o corpo.

* Mosaico: Zonas demarcadas e distintas diferentes nos machos das fêmeas.

Com esta sistemática de grupo, fica mais fácil conhecer todas as cores de canários.

Fonte: PR Canário s.


Fonte do texto e Imagem
http://canarinhovalter.blogspot.com/

Araras Azuis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...