sábado, 29 de agosto de 2009

Pássaros na arte




A beleza d
e nossa fauna nos fascina.

O colorido nas espécies me
deixam encantado, então as

palavras se tornam desnecessarias.








Extraido na integra do site citado abaixo
http://birdmania.sites.uol.com.br/br_arte.htm

Ciencias&Ornitologia



Pássaros tem sido fonte de inspiração para obras de arte desde os tempos do Egito Antigo, pela sua beleza, mistério e pelo sentido de liberdade que elas nos despertam. Além de serem um elemento decorativo elas detinham um forte simbolismo e adquiriram status de Deuses. Aves eram grandemente utilizadas na escrita (hieróglifos)


Encontramos aves em jóias, pinturas, esculturas e objetos decorativos em geral. Em todas as civilizações encontramos aves em obras de arte. Em quadros de pintores famosos e em esculturas. A ave sempre foi um símbolo de poder pelo fato de poder voar e um símbolo aristocrático pelo fato de
serem elegantes e belas.



É comum encontrarmos em quadros faisões, pavões e belas aves canoras como símbolo de status do personagem retratado no quadro. Van Eyck, pintor Holandês sempre se utilizava de pássaros quando retratava nobres.
Luxuosas gaiolas também eram símbolo de nobreza em quadros antigos. Bosch em suas pinturas apocalípticas, sempre inseria alguns pássaros em suas telas.

Texto e imagens na integra http://birdmania.sites.uol.com.br/

As Cegonhas




Bonitas e bem airosas
Despertam muito carinho
E ficam bem graciosas
As duas no mesmo ninho

E o seu porte elegante
Ao vê-lo é uma beleza
Delicia um bom amante
Das coisas da natureza

É bonito que se veja
Quando vão no seu voar
Para as torres da igreja
A caminho do seu lar

E essas lindas cegonhas
Quando em seu planar
Põem nossas caras risonhas
Por vê-las estar no ar

Foram certas as medidas
De lhes darem protecção
E serem aves protegidas
Para nossa satisfação.

Cumpts.
Almart
Imagem google

Cegonha –Preta

O nome científico : Ciconia nigra
Como é:
Tem uma plumagem branca no ventre e negra com reflexos metálicos no dorso, cauda, cabeça e pescoço. O seu bico e as suas patas são de cor vermelha viva no adulto, são esverdeados e bastante mais claros nos juvenis. A sua plumagem escura e metálica pode, por vezes, reflectir a luz do Sol, fazendo-a parecer bastante clara quando vista de longe.
Como e onde vive:
Habita em regiões com muitas árvores, normalmente junto a lagos, rios e terras pantanosas cercadas de árvores. Em Portugal vive apenas nas regiões mais interiores, inóspitas e isoladas. Os troços internacionais dos rios Douro, Tejo e Guadiana oferecem para a sua espécie condições privilegiadas, sobretudo devido à fraca perturbação humana que aí se regista e à abundância de locais de nidificação.
Como se alimenta:
A sua alimentação é muito semelhante à da cegonha-branca. Inclui uma maior percentagem de peixe e outros seres aquáticos. O seu regime alimentar faz com que estas aves sejam extremamente úteis para a agricultura, pois comem inúmeros insectos e servem como controladores de possíveis pragas. A base da sua alimentação é constituída por crustáceos, anfíbios, e pequenos peixes.
Como se reproduz:
Chega da sua migração em Março, inicio imediatamente a época de nidificação. Regressa igualmente a África no fim do Verão. A incubação dura vinte dias ou pouco mais.
Porque está em vias de extinção:
Porque o homem na sua grande ambição foi pouco a pouco destruindo o seu habitat natural, havendo ainda a salientar o facto de os agricultores utilizarem muitos químicos nas suas culturas e sem se aperceberem estão a envenenar-lhe.
O que se pode fazer para a salvar:
Podemos fazer campanhas de sensibilização e informação do perigo de extinção que a sua espécie corre e simultaneamente pode-se ajudar as entidades competentes na preservação da sua espécie, colocando por exemplo ninhos nos locais onde costumam nidificar.
Consultar:


Trabalho realizado por: Ana Margarida

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Pássaros e seu Habitat.II




Alguns pássaros e plantas são comuns em várias regiões, porém outros são endêmicos. Em função dos valores culturais e regionais o nome comum das espécies pode variar muito e causar erros de identificação. Por isso torna-se interessante e importante observar o nome científico que reconhece a espécie em qualquer lugar do planeta, independente da língua oficial do local.





BEM-TE-VI: Pitangus sulphuratus - seu nome popular é onomatopéico, pois seu canto imita um chamado, dando a impressão de cantar seu próprio nome: "bem-te-vi, bem-te-vi". Seus principais alimentos são frutas de pessegueiro, ameixeira, romãzeira, mangueira, pitangueira, uvaia, goiabeira, jabuticabeira, araçazeiro, amoreira e figueira e insetos, mas não dispensam algumas sementes.


BICO-DE-LACRE: Estrilda astrid - restrito aos ambientes urbanos ou antropizados se alimenta das sementes do capim colonião africano, o que condiciona sua distribuição.



BICUDO: Oryzoborus crassirostris, O. magnirostris e O. gigantirostris - costumam pousar no último galho da árvore mais alta do local onde se encontram, imitando em seu canto o som de flauta. O bico robusto e cônico é próprio para esmagar sementes.


CABOCLINHO: Sporophila palustris - é o menor pássaro canoro brasileiro. Habita várzeas à procura de sementes de capim verde, entre outros, especialmente o capim de flor amarela e o colonião.


CAMBACICA: Coereba flaveola - visitante de parques e jardins, disputa o alimento das flores com o beija-flor. Diferencia-se no modo de obter o néctar, agarrando-se à corola das flores e com o bico curvo e pontiagudo perfura o cálice, atingindo assim os nectários. Completa sua dieta alimentando-se de artrópodes.


CANÁRIO BELGA: São pássaros granívoros e, portanto, as sementes representam a parte mais importante de sua dieta.


CANÁRIO DA TERRA: Sicalis flaveola - o pássaro canoro mais popular do Brasil, come de tudo, principalmente sementes, podendo ser alpiste, painço amarelo, linhaça e se adapta com facilidade a qualquer tipo de ambiente.


CARDEAL: Paroaria coronata - encontrado em campo aberto com árvores altas, capões de mato e beira de rios. Onívoros, sua dieta é composta de grande variedade de sementes, insetos e frutinhas, mas em época de reprodução, seu regime alimentar passa a ser exclusivamente insetívoro, que se prolonga por mais alguns dias após o nascimento dos filhotes.


COLEIRINHA/COLEIRO: Sporophila caerulescens - habita áreas antrópicas (pomares, pastos, praças das cidades), brejos, capoeiras e restingas, sendo encontrado empoleirado em arbustos ou agarrados em talos das inflorescências de gramíneas, alimentando-se de sementes do capim ou que estão no chão.


CURIÓ: Oryzoborus angolensis - de origem tupi, seu nome significa "amigo do homem". Dispõe de bico forte, curto de cor preta, capaz de quebrar as sementes mais duras, especialmente semente do capim navalha, base de sua alimentação, completando sua dieta com insetos. Habita normalmente áreas nas proximidades de lagos, várzeas e rios.


GATURAMOS: Tanagra violacea Linnaeus - também conhecido pelos nomes de Tietê e Bonito, sua dieta é composta por frutas (laranjas, goiabas e bananas) e insetos. Apreciam os frutos da planta erva-de-passarinho, que são facilmente encontradas nas copas dos ipês, árvores comuns no cerrado e também nos centros urbanos.


GATURAMOS-VERDADEIROS: Euphonia violacea - hábil imitador do canto de outras aves como do gavião (Buteo magnirostris), do sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris), da andorinha-serradora (Stelgidopteryx rufficollis) e o pardal (Passer domesticus). Basicamente, sua dieta restringe-se a frutos de epífitas, parasitas, bromeliáceas e cactáceas, embora possa incluir alguns artrópodes na sua alimentação.


JOÃO DE BARRO: Furnarius rufus - utiliza habilmente o barro misturado com fibras vegetais, capim, pêlos e estrume para construir sua casa no alto dos postes de iluminação e dos galhos de árvores em regiões urbanas e campestres. É na vegetação baixa, onde pode caminhar, que ele busca insetos, larvas e artrópodos em geral para compor sua dieta.


PAPAGAIOS: seu bico forte e encurvado para baixo é apropriado para quebras sementes duras e coquinhos. Frutos, sementes, brotos, flores e, eventualmente, insetos que estão nas frutas fazem parte de sua dieta na natureza. ·


PAPAGAIO-CHORÃO: Amazona pretrei, ave típica do sul do Brasil, aprecia o pinhão, semente da araucária (Araucaria angustifólia).


PARDAL: Passer domesticus - encontrado facilmente em áreas urbanas, pode construir seu ninho no oco de alguma árvore, no beiral de telhado ou outra saliência. Sua dieta variada consiste em sementes, insetos, frutas e restos alimentares como migalhas de pão.


PÁSSARO-PRETO: Gnorimopsar chopi - dieta composta por sementes, frutos de pessegueiro, ameixeira, romãzeira, mangueira, pitangueira, uvaia, goiabeira, jabuticabeira, araçazeiro, amoreira e figueira, incluindo principalmente cocos do buriti.


PICA-PAU: com bico forte e apropriado para lascar o tronco das árvores à procura de alimento, normalmente come larvas de insetos e alguns insetos, mas prefere besouros.


· Uma espécie de pica-pau do gênero Celeus, de pelagem amarelada com pontos pretos visita as flores vermelhas da árvore conhecida como anani (Symphonia globulifera), cujo tronco solta um látex de um amarelo intenso, para procurar por insetos.


PINTASSILGO: Carduelis magellanica icterica - é o mais comum. Com seu canto longo e repicado estimula o canto de todos os outros pássaros ao seu redor. É encontrado em ambientes variados como brejos, capoeiras, pastos, pomares, florestas ralas, pinheirais. Sua dieta consiste de vários tipos de sementes de capim, de assa-peixe, dente-de-leão, além de apreciar as flores dos eucaliptos e os insetos que vivem nos pinheirais. Em proximidade de áreas urbanas aprecia sementes e pequenos frutos secos, de revestimento duro, além de frutas encontradas em pomares.


POMBOS: Columba livia - o pombo-doméstico, comum de ser encontrado na cidade, é uma ave mansa que vive em parques, praças e principalmente em beirais de telhados residenciais ou comerciais, onde nidificam. Sua alimentação é variada, aproveitando todos os recursos que o ambiente oferece. As pessoas costumam atraí-los com sementes de milho e migalhas de pão. Apreciam também os frutos maduros de chumbinho (Ligustrum japonicum), planta muito utilizada na arborização urbana. Devido a grande oferta de alimento, a população tem crescido muito, ocasionando transtornos como sujeiras provenientes de suas fezes que podem transmitir muitas doenças.


QUERO-QUERO: Vanellus chilensis - pode ser encontrado próximo das áreas urbanas, fazendo seu ninho camuflado no chão de gramados, utilizando folhas secas, não hesitando em atacar quem por perto passar. Alimenta-se de insetos e outros artrópodes capturados no solo.


ROLINHA: Columbina talpacoti - habita áreas com plantações, campos abertos e os centros urbanos, onde é muito comum. Constrói o ninho em arbustos utilizando gravetos. Sementes de gramíneas e de pequeninos frutos apanhados do chão fazem parte de sua dieta. Em ambientes urbanos sua alimentação é variada, nutrindo-se de sementes e outros alimentos encontrados à disposição naquele ambiente.


SABIÁ-LARANJEIRA: Turdus rufiventris - seu canto longo e melodioso semelhante ao som de flauta, serviu de inspiração a alguns poetas. É encontrado tanto no campo quanto na cidade. Por estar muito próximo ao homem, sua popularidade o tornou símbolo representativo da fauna ornitológica brasileira e foi considerado popularmente a Ave Nacional do Brasil através de decreto federal. É muito comum encontrá-lo andando pelo chão capturando invertebrados, mas sua dieta consiste basicamente em frutos de pitangueiras (Eugenia uniflora), figueiras-benjamim (Ficus microcarpa), palmeiras como o jerivá (Syagrus romanzoffianus) e a seafórtia (Archontophoenix cunninghamiana) e amoreiras (Morus nigra). Ele costuma visitar comedouros para comer frutas (mamão, banana, laranja) e pão que são ofertados pelo homem.


SAÍRAS: - O canto da maioria das saíras é inexpressivo e podem ser encontradas principalmente em árvores floridas ou ricamente frutificadas.



SAÍRA-AMARELA: Tangara cayana - habita matas abertas e ciliares, áreas cultivadas, parques e jardins, freqüentando árvores com frutos maduros, como a aroeira-vermelha (Schinus terebinthifolia) e magnólias (Magnolia spp) e completa sua dieta com insetos cupins e vespas.


SAÍRA-PARAÍSO: Tangara chilensis - vive na mata, sobretudo na área de várzea.


SAÍRA-SETE-CORES: Tangara seledon - ameaçada de extinção como espécie vulnerável é uma ave lindíssima por ser multicolorida. Costuma fazer seu ninho em bromélias que podem estar no tronco de palmeiras como, por exemplo, a da palmeira-imperial, cujos frutos são apreciados.


SANHAÇO-CINZA: Thraupis sayaca - pode ser encontrado em áreas rurais e nas cidades, especialmente em bairros bem arborizados. Utiliza buracos de árvores para fazer o ninho, especialmente os de coqueiros. Freqüenta principalmente árvores frutíferas como pessegueiro, pitangueira, ameixeira, romãzeira e comedouros onde são oferecidas frutas como mamão, banana, laranja entre outras. Aprecia os frutos de figueiras (Ficus carica, F. microcarpa, F. elastica), amoreira (Morus nigra) e embaúba (Cecropia sp.) e come as pétalas de ipê-amarelo (Tabebuia sp.). Alimenta-se ainda de néctar de flores de eucalipto (Eucalyptus sp.) e mulungu (Erythrina).


TICO-TICO: Zonotrichia Capensis - seu nome veio do pio: "tic...tic. Habita paisagens abertas, campos de cultura, fazendas e jardins. Conhecido como irrequieto, devido ao modo como captura alimento no solo por meio de pequenos. Sua dieta é composta de sementes, muitas vezes, extremamente amargas e de insetos. É considerado útil ao homem por alimentar-se de larvas daninhas encontradas em hortas e ao Chopim (Molothurs bonariensis) a quem serve de ama seca.


TUCANO-TOCO: Ramphastos toco - é uma espécie onívora, alimentando-se basicamente de frutos e sementes, de insetos, ovos de outras aves e dos filhotes destas caso lhe falte alimento. Vive em bordas de matas e freqüenta os palmitais em busca de seus frutos. Seu bico é leve e oco, porém muito resistente, proporcionando pular com facilidade os galhos das árvores e apanhar delicadas frutinhas.


TUCANO-DE-BICO-VERDE: Ramphastos dicolorus - habita áreas florestadas, do litoral a zonas montanhosas, incluindo as florestas de planalto. Sua alimentação é variada: frutos, artrópodes e pequenos vertebrados. Entre os frutos apreciados pelos tucanos estão os de várias palmeiras como o palmiteiro (Euterpe edulis), o jerivá (Syagrus romanzoffiana) e a palmeira-elegante (Archontophoenix cunninghamiana). Completa sua dieta comendo aranhas e insetos como lagarta, cigarra, grilos.


TRINCA-FERRO: Saltator maximus - seu nome é devido ao canto alto e estridente que vocaliza. Habita bordas de matas e clareiras, tanto nas baixadas como nas montanhas. Pode ser visto também em pomares alimentando-se de frutas.



Fonte de Pesquisas na Integra: http://birdmania.sites.uol.com.br


Araras Azuis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...