quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Andorinha


Ave passeriforme da família dos hirundinídeos, com diversas espécies registradas no Brasil. Notável pela agilidade com que captura insetos no ar.

Notáveis pelas acrobacias que executam em grupo, as andorinhas são rigorosamente insetívoras e consta que capturam no ar até abelhas e vespas. No estômago de um exemplar coletado em Minas Gerais, verificou-se a existência de 402 insetos, pertencentes a mais de vinte famílias.

Andorinha é a denominação geral que se dá a várias espécies de pássaros da família dos hirundinídeos. Possuem em geral o bico curto, mas largo e chato, indício de perfeita adaptação à captura de insetos em vôo. De modo geral seu colorido é azul-metálico ou pardacento no lado superior; a parte ventral de muitas espécies é branca ou, mais raramente, com ornatos avermelhados. A andorinha é ave migratória; algumas espécies nidificam na América do Norte e passam o inverno no Brasil.

As andorinhas voam contra o vento e realizam longos vôos planados para pegar insetos. Dormem nos beirais dos telhados ou em fendas diversas. Algumas espécies constroem ninhos de estrume ou barro, dando-lhes grande resistência com o acréscimo de sua própria saliva. Outras nidificam em galhos ocos ou em buracos em pedras ou barrancos, nos quais escavam galerias.

Os ovos, brancos, são chocados pelo casal, que dorme junto no ninho, fato incomum entre as aves. A incubação dura 15 dias em média. Os pais se revezam na alimentação dos filhotes, que começam a abandonar o ninho com cerca de um mês de vida. Após a reprodução, todas as espécies vistas no sul do Brasil, mas não todos os indivíduos, empreendem extensas migrações, dirigindo-se para o norte à procura de alimentação mais farta. A maior espécie do Brasil, entre as 14 de ocorrência já registrada, é a andorinha-grande (Progne chalybea), de cauda bifurcada, que mede 19,5cm e pesa 43g. Azul por cima, tem o peito castanho-cinzento, ladeado também de azul. Uma das menores, e das mais comuns nas cidades, é a andorinha-pequena-de-casa (Notiochelidon cuanoleuca), que mede 12cm de comprimento e pesa apenas 12g.

http://passaroazul.br.tripod.com/andorinha.html

domingo, 18 de setembro de 2011

Araponga


Ave passeriforme da família dos cotingídeos (Procnias nudicollis), encontrada nos estados da Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, e também no Paraguai e Argentina. De voz metálica e estridente, é também chamada ferreiro.

Com uma voz que lembra marteladas em ferro, a araponga emite alguns dos gritos mais fortes produzidos por aves sul-americanas e que ecoam pelos sertões brasileiros como um de seus rumores mais típicos.

Migratória em seus hábitos, a araponga ou ferreiro (Procnias nudicollis), pássaro da família dos cotingídeos, é encontrada na Bahia, em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, e também no Paraguai e Argentina. O macho adulto é branco, com garganta e faces esverdeadas. A fêmea, de partes superiores verdes, tem a cabeça cinza e as partes inferiores estriadas de um amarelo que tende ao verde.

O macho imaturo é semelhante à fêmea, mas com cabeça e garganta negras, e só se torna todo branco aos três anos de idade. Só também nesta altura da vida sua voz, que a princípio é menos articulada e mais fraca, consegue equiparar-se em mestria à dos indivíduos adultos.

A araponga-do-nordeste ou guiraponga (Procnias averano) é semelhante no porte e na aparência à do sudeste e sul do país. O macho, contudo, tem asas negras, cabeça chocolate e a garganta provida de uma "barba" brilhante de filamentos escuros. A fêmea é verde, como a da P. nudicollis. O macho imaturo, também verde, tem cabeça marrom e garganta preta. O habitat dessa espécie cobre todo o Nordeste e prolonga-se pela Amazônia até a Venezuela e Colômbia.




http://passaroazul.br.tripod.com/araponga.html

Araras Azuis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...