sábado, 1 de agosto de 2009

OS PÁSSAROS. AH! OS PÁSSAROS.


OS PÁSSAROS. AH! OS PÁSSAROS OS PÁSSAROS.
COMO É BOM OUVÍ-LOS CANTAR.
AH! OS SEUS LINDOS GORJEIOS.
DOCES MELODIAS SALTAM
DE SUAS GARGANTAS AFINADAS.

SERES DE GRANDE APTIDÃO,
SENSÍVEIS, GRACIOSOS.
POSSUEM O DOM DIVINO.
NASCEM, APRENDEM A VOAR
E SE DÃO EM NOTAS A TRINAR.

SOM QUE PENETRA A ALMA,
TOCA O MAIS DURO CORAÇÃO,
MESMO QUANDO ESTAMOS ENGANADOS,
ALEGRANDO-NOS EM VÊ-LOS ENGAIOLADOS,
MAS O SEU CANTO É PURA LAMENTAÇÃO.

FESTEJAM, CANTAROLAM, ENCANTAM.
ANUNCIAM A CHEGADA DA PRIMAVERA.
ENAMORAM-SE, TROCAM CARÍCIAS,
LANÇAM AOS VENTOS PRIMÍCIAS,
CANTAM A AURORA, A NOVA ESTAÇÃO.



RICARDO OHARA
Imagens de pesquisas google

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Ornitologia

Ornitologia é o ramo da biologia que se dedica ao estudo das aves.
A ornitologia é uma das poucas ciências beneficiadas por importantes contribuições de amadores. E embora muitas informações provenham de observação direta, algumas áreas da ornitologia tiram proveito de técnicas e instrumentos modernos como anilhamento de aves, radar e radiotelemetria.
Ornitologia é o ramo da zoologia que estuda as aves, a partir quer de sua distribuição na superfície do globo, das condições e peculiaridades de seu meio, costumes e modo de vida, quer de sua organização e dos caracteres que as distinguem umas das outras, para classificá-las em espécies, gêneros e famílias.
Esta ciência baseia-se em classificar as aves de acordo com o seu parentesco entre elas mesmas. O desenvolvimento e a evolução são um factor essencial neste estudo. Aqui se incluem as espécies que não puderam sobreviver ás mudanças ambientais e hoje em dia só conhecemos como fósseis.
A ornitologia também estuda a anatomia das aves. As adaptações naturais que os corpos destes animais e a necessidade que satisfazem estas mudanças. O funcionamento dos organismos e sua reacção a outros organismos é parte desta ciência.
E é claro, que o estudo do meio ambiente está estreitamente relacionado com a ornitologia. Já sabemos do impacto que podem causar as mudanças drásticas na natureza e os ornitólogos tratam de remediar o problema antes que suceda. Recorde, uma vez que uma espécie se extermina, não volta.
Pesquisas internete

terça-feira, 28 de julho de 2009

Ornitologia&Ciencias&Curiosidades

David Attenborough, em sua monumental obra A VIDA NA TERRA, afirma que "A pena é algo extraordinário, é uma substância a que poucas se comparam como isolante término e nenhuma, seja de origem animal ou fabricada pelo homem, a supera como material de vôo. ... As características que distinguem as aves dos outros animais estão quase sempre ligadas, de uma forma ou de outra, aos benefícios trazidos pelas penas. Na realidade, o simples fato de possuí-las é suficiente para definir uma criatura como ave". Mas o que dizer dos familiares classificados dos jornais: ANIMAIS e AVES? Notório contra-senso! Melhor seria dizer AVES e OUTROS ANIMAIS.
Outro deslize relativamente comum é freqüente na televisão. Programas como MUNDO ANIMAL, por exemplo, extremamente meritórios por seu excelente conteúdo, deveriam contar com rigorosa assessoria científica quando de sua versão para o Português, evitando que aves como garças, tucanos, araras e outras continuem sendo denominadas pássaros, o que constitui erro palmar. Também as publicação dedicadas a Ornitofilia, Ornitologia Amadora e assuntos correlatos estampam com assiduidade títulos do tipo "PERIQUITOS ONDULADOS, PÁSSAROS MARAVILHOSOS", "AGAPORNIS, PÁSSAROS DO AMOR" etc. Ora, que o leigo cometa tais equívocos é compreensível e até perdoável, mas, deve confessá-lo, quem tem algumas noções de Ornitologia não os engole sem veementes protestos!
Rodolpho von Ihering, um dos maiores naturalistas deste País, já frisava em sua obra magna, o DICIONÁRIO DOS ANIMAIS DO BRASIL: "Pouca gente costuma fazer distinção com valor classificativo, no emprego dos vocábulos ave e pássaro, peculiares à nossa língua e à espanhola. O francês emprega indiferentemente oiseau, tanto ao designar o avestruz como o pardal e da mesma forma Vogel em alemão e bird em inglês aplicam-se a qualquer vertebrado plumado. Mas ninguém, falando corretamente nossa língua, dirá que a ema, o gavião e o papagaio sejam pássaros". O mestre até exemplifica: "Termos ouvido definir que pássaros são as aves pequenas. Estará certa? O bem-te-vi é um pássaro, mas a rolinha, muito menor, pode ser designada assim? Certamente que não, pois a rola é uma pomba e os representante desta ordem não são pássaros, porém aves, como as galinhas".
Depreende-se, portanto, a existência de valor classificativo para a palavra pássaro. Todos os vertebrados providos de penas são aves, inclusive os pássaros. Estes, porém, pertencem a um grupo zoológico bem caracterizado, constituindo a ordem Passeriformes. E a ela não se filiam tuins, andorinhões e nem mesmo os beija- flores, apesar de suas reduzidas dimensões. Daí se deduz que, se quisermos empregar com exatidão os vocábulos ave e pássaro, a noção de tamanho deve ser completamente abandonada, levando-se em conta apenas o critério de classificação. Pássaros, só os Passeriformes, que têm bico desprovido de membrana na base, tarsos isentos de penas, pés com três dedos dirigidos para a frente e um para trás e unha do dedo posterior mais forte que a dos anteriores, dos quais os dois interiores são ligados entre si na base.
Já que, para o leigo, isso não quer dizer muito, embora elimine uma série de espécies (todas as que têm dois dedos dirigidos para a frente e dois para trás, por exemplo, incluindo-se aí os menores pica-pauzinhos), a única maneira prática de esclarecê-lo é relacionando todas as famílias de Passeriformes que ocorrem no Brasil:
Dendrocolaptídeos (arapaçus e subideiras).
Furnariídeos (joões-de-barro, bentererês, trapadores etc).
Formicariídeos (chocas, tovacas, papa-formigas etc).
Rinocriptídeos (macuquinhos, tapaculo-preto etc).
Cotingídeos (arapongas, anambés, pavó, crejoá, corocochó etc.)
Piprídeos (tangarás, fruchus, rendeira, flautim etc).
Tiranídeos (bentevis, suiriris, sebinhos, tesouras, viuvinha etc).
Oxiruncídeos (bico-agudo).
Hirundinídeos (andorinhas).
Corvídeos (gralhas).
Fontes de pesquisas da Internete
Google

domingo, 26 de julho de 2009

BIODIVERSIDADE AMEAÇADA PELO TRÁFICO DE AVES SILVESTRES



A fauna silvestre é um dos recursos naturais que se tornou vítima da ganância humana.
O Brasil reúne uma das maiores riquezas em avifauna do mundo, entre 1.696 e 1.731 espécies, o que torna o país um dos mais importantes em relação a investimentos em conservação.
Estima-se que cerca de 10% das espécies de aves estejam ameaçadas sendo que o comércio ilegal é a principal ameaça às aves brasileiras.
A extinção de espécies é um fenômeno natural tanto quanto o surgimento de novas espécies por meio da evolução biológica. A maior parte das espécies de animais que já povoou a face da Terra foi extinta devido a causas naturais, antes mesmo do aparecimento do homem.
No entanto, a ação humana pode acelerar os processos que eventualmente levam ao desaparecimento de muitos dos seres vivos que conhecemos.
(Resumo de Pesquisas Internete via google)
Imagem google

Araras&Espécies.

Arara-canindé (Ara arauna)

É uma arara que ocorre da América Central ao Brasil, à Bolívia e Paraguai. Tal espécie chega a medir até 80cm de comprimento, com partes superiores azuais e inferiores amarelas, alto da cabeça verde, fileiras de penas faciais e garganta negras. A arara-canindé pode viver aproximadamente 60 anos em cativeiro. (NÃO AMEAÇADO)


Arara-vermelha (Ara chloroptera)
É uma ave psitaciformes, nativa das florestas do Panamá ao Brasil, Paraguai e Argentina. A sua alimentação é baseada em sementes, frutas, coquinhos. A arara-vermelha mede até 90cm de comprimento e pesa até 1,5kg. (NÃO AMEAÇADO)





Arara Azul:(Anodorhynchus hyacinthinus)
É uma ave da família Psittacidae, originalmente encontrada nas matas brasileiras. Possui uma plumagem azul com um anel amarelo em torno do olho e fita da mesma cor na base da mandíbula. Essa ave está atualmente ameaçada de extinsão, sendo as principais causas a caça, o comércio clandestino, no qual as são capturadas enquanto filhotes, ainda no ninho e a degradação em seu habitat natural através da destruição atrópica. (VULNERÁVEL)


Arara-canga (Ara macao)

É uma arara encontrada do México à Amazônia até o norte do estado brasileiro do Mata Grosso, sudeste do Pará, Maranhão e da Bolívia. Tal espécie chega a medir até 89cm de comprimento, com plumagem geral vermelha com verde, asas em azul e amarelo, e face na nua branca. (NÃO AMEAÇADO)

VULNERÁVEL: categoria de ameaça que inclui espécies que não se encontram em perigo, mas correm um risco de extinção a médio prazo.
(Fontes de pesquisas google imagens e textos)

Araras Azuis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...